Sunday, September 10, 2017

Novo palavrão: "Meio-Náutico"



Ao ler esta notícia acho que aprendi um novo palavrão: «meio náutico». Observo a imagem anexa à notícia palavrosa e só vislumbro uma lancha da polícia marítima. Está inserida no meio náutico natural do porto de Angra do Heroísmo mas não é por aí que a coisa se assume como palavrão. A notícia, eventualmente um comunicado de imprensa da AMN, diz assim:
«O comando local da Polícia Marítima de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória dispõe agora de um novo meio náutico que vem reforçar o seu dispositivo de policiamento e fiscalização.
Trata-se de uma embarcação semi-rígida, cabinada, de 7,8 metros de comprimento, e equipada com os mais modernos sistemas de auxílio à navegação, dispondo de uma motorização de 500 HP (2 x 250 HP) e uma autonomia de cerca de 200 NM.
Em nota de imprensa, o comando local da Polícia Marítima de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória explica que o equipamento vem permitir uma maior mobilidade operacional e a projecção de equipas da Polícia Marítima em acções de policiamento, de dia ou noite, em todo o espaço de jurisdição marítima das ilhas Terceira e Graciosa.
Fica assim garantida, informam ainda, a autoridade do Estado e a soberania Nacional no mar em missões de prevenção e repressão criminal, bem como no reforço das capacidades de fiscalização dos recursos piscícolas no mar dos Açores, em particular nas áreas de reserva natural marinhas, como o banco “Dom João de Castro” localizado a cerca de 50 milhas náuticas a Sudeste da ilha Terceira.Fica assim garantida, informam ainda, a autoridade do Estado e a soberania Nacional no mar em missões de prevenção e repressão criminal, bem como no reforço das capacidades de fiscalização dos recursos piscícolas no mar dos Açores, em particular nas áreas de reserva natural marinhas, como o banco Dom João de Castro” localizado a cerca de 50 milhas náuticas a Sudeste da ilha Terceira.»
Este texto é duplamente enriquecedor: inova e acrescenta o léxico marítimo e é um garante da autoridade do Estado e da soberania Nacional. 
O meu receio sincero é que o primeiro arrastão de pesca chinês apanhado em flagrante algures no Atlântico Norte pelo novo meio-náutico provoque a sua perda gloriosa com o contacto no casco de algum anzol mais afiado. 
O meu espírito curioso debate-se entretanto com a angustia de ver a existência das nossas unidades navais ameaçadas com o meio-náutico dos Açores. Para quê uma Corveta, para quê um Patrulhão, para quê dois Submarinos (e eu acho que precisamos de mais), se o novíssimo «meio-náutico» aparentemente responde às solicitações habituais atribuídas a tais navios nos Açores?
O abominável palavrão «meio náutico» acabado de inventar para substituir a palavra «lancha» é feio e desnecessário, suponho que da família dos «meios aéreos» dos combates aos fogos nacionais, uma invenção do nacional-foleirismo que enjeita uma língua tão bonita e rica em terminologia naval e náutica: a Língua Portuguesa. 
Não lhe dêem pontapés, por favor.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia
Post a Comment